Notícias

    Postado em 28 de Março de 2016 às 16h24

    ARTIGO

    A crise e o comércio: como os trabalhadores são afetados

    Sindicom Chapecó A crise e o comércio: como os trabalhadores são afetados A crise e o comércio: como os trabalhadores são afetados Geralda Godinho Sales, secretária-adjunta de administração e...

    A crise e o comércio: como os trabalhadores são afetados


    Geralda Godinho Sales, secretária-adjunta de administração e finanças da ContracsPor Geralda Godinho Sales, secretária-adjunta de administração e finanças da Contracs.

    Se a crise mundial provoca queda no investimento, eleva o nível de incertezas e impacta todas as economias do mundo, no Brasil, a crise econômica gerada pela adoção de medidas de ajuste fiscal e elevação das taxas de juros soma-se a crise política, agravando ainda mais o quadro nacional e afetando diretamente o crescimento econômico, o emprego, a renda e a confiança dos consumidores e da população.

    Após dez anos em queda, o desemprego voltou a subir chegando a 6,8% em 2015 – patamar que não atingia desde 2009 (8,1%) e maior do que a taxa registada em 2014 (4,8%).

    Enquanto o desemprego sobe, a renda desce. Pela primeira vez em dez anos de ganhos sucessivos, a renda média do trabalhador caiu 3,7% em relação a 2014. E este fato se deve a combinação do desemprego com a alta inflação. Somente no Distrito Federal, o rendimento médio real declinou 0,5%.

    Os impactos no comércio

    Com o aumento do desemprego, a queda no rendimento, as altas taxas de juros, a queda na confiança dos consumidores e crise econômica brasileira e mundial, o comércio sentiu os impactos principalmente nos setores afetados pela elevação dos juros e pela alta de preços como supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumos; livros, jornais, revistas e papelarias; combustíveis e lubrificantes.

    No entanto, o comércio varejista teve crescimentos seguidos em outubro e novembro de 2015.

    Considerando todo o varejo, em 2015 as vendas caíram 4,3% em comparação a 2014 segundo o IBGE. Somente em dezembro, o recuo foi de 2,7% em relação ao mês anterior e 7,1% em relação a dezembro de 2014.

    O setor do comércio é extremamente suscetível às oscilações sazonais e, em uma conjuntura de crise, as variações podem ser ainda maiores, pois o consumo cai ainda mais impactado por um cenário que não se mostra favorável.

    A mídia tem seu papel de potencializar as notícias da crise econômica e política brasileira, desaquecendo ainda mais a economia e fazendo com que a confiança do consumidor e a intenção no consumo caiam ainda mais.

    No entanto, os maiores impactos da crise são sentidos especialmente pelos trabalhadores/as que tem vivido não só em um ambiente de incertezas quanto à sua estabilidade empregatícia quanto pela queda de seus rendimentos, especialmente para os trabalhadores/as do comércio que tem seu rendimento mediado por comissões e ganhos extras com as vendas realizadas.

    Se a instabilidade econômica e política existem, é preciso que o Governo adote medidas que invertam a lógica da crise atual através de políticas que propiciem a geração de emprego e renda para que haja a retomada do crescimento. A Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviços (Contracs/CUT) apoia o Compromisso pelo Desenvolvimento criado pela CUT com as demais centrais sindicais e acredita nas propostas que pretendem mudar a agenda do Brasil como o financiamento a longo prazo via BNDES, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil; o acordo de leniência; manutenção dos investimentos da Petrobras; retomada das obras de infraestrutura e políticas setoriais de desenvolvimento. Somente com a inversão da lógica econômica é que poderemos sair da crise, retomar o crescimento e acreditar em um Brasil justo e com redistribuição de renda.

    fonte: FECESC/ CONTRACS

    Veja também

    JORNADA DE LUTA22/11/17Jornada Continental pela Democracia contra Neoliberalismo, realizada em Montevidéu, reúne mais de 3 mil militantes “A vida humana não pode se resumir a trabalhar, pagar contas e fazer dívidas, como propõe o capitalismo. Defender o tempo livre e a liberdade é uma questão de princípios”. A declaração do ex-presidente do Uruguai José Pepe Mujica foi feita nesta quinta-feira (16) durante a Jornada Continental pela Democracia e contra o Neoliberalismo. O......
    ATENÇÃO!19/09/1622 de setembro dia de paralisação dos trabalhadores em defesa de seus direitos Em Plenária Sindical, as sete centrais do estado definiram calendários de lutas para construção de uma grande greve geral     Reunidos no auditório da FECESC em Florianópolis, na tarde do dia 15......

    Voltar para Notícias